Encontro Nacional dos Funcionários de Banco Privados define a luta pelo emprego como prioridade
Seg, 19 de Junho de 2017 08:10

encontro-bancos-privados

 

Com a participação de representantes do Sindicato dos Bancários de Guarulhos e Região, evento contou com uma série de debates e provocou reflexão sobre as necessidades específicas de cada banco

Organizar a pauta de lutas, refletir sobre questões que atingem toda a categoria, preparar-se para lutar e resistir às reformas do pacote de maldades proposto pelo presidente ilegítimo Michel Temer com o apoio de banqueiros e grandes empresários. Esses foram alguns pontos discutidos durante os três dias do “Encontro Nacional dos Funcionários de Bancos Privados”, que aconteceu entre os dias 6 e 8 de junho, em São Paulo.

O evento reuniu bancários de todas as instituições privadas do país e os permitiu acompanhar seminários ministrados por profissionais do Departamento Intersindical de Estatística (Dieese) – sobre os impactos negativos provocados pelas reformas Trabalhista e da Previdência e sobre o uso de tecnologia e suas consequências sobre as relações de trabalho.

Conclusão dos trabalhos – Após reunirem-se para discutir e debater as reivindicações e organizações específicas de sua instituição, os bancários apresentaram suas conclusões em uma minuta que se´ra entregue a cada um dos bancos participantes do encontro, além de um plano de lutas para a Campanha Nacional dos Bancos 2017 que será apresentado à Contraf-CUT.

Apesar de cada instituição possuir demandas exclusivas, uma delas é dividida por funcionários de todos os bancos privados: o desemprego. Os trabalhadores, mesmo participando de debates distintos, incluíram em seus documentos o objetivo de defender o emprego e a saúde dos colaboradores.

Mercantil do Brasil

Funcionários defendem o emprego – O grande número de demissões realizadas desde 2013 e o encerramento das atividades de agências espalhadas por todo o país foram o foco do encontro dos trabalhadores do Banco Mercantil do Brasil. Os banqueiros usam o pretexto de reestruturar a instituição como motivo principal das dispensas de milhares de bancários.

Vale lembrar que o Mercantil é responsável pelo pagamento de uma parcela significativa do benefício da aposentadoria, o que significa que há grande chance desse público adquirir serviços de crédito, seguros e investimentos a aposentados e pensionistas, o que representa lucro e estabilidade para a instituição.

Além das demissões, o grupo também colocou em debate o Plano de Cargos, Carreiras e Salários, Participação nos Lucros, Saúde e Segurança nas agências do Mercantil. Em algumas agências de outros Estados, o banco portas giratórias e seguranças, colocando em risco a segurança de funcionários e clientes, mas acabou recuando após a manifestação do Sindicato. Em casos como este, caso a experiência seja positiva para o banqueiro, a tendência é de que a retirada se espalhe por todo o país, portanto a reivindicação foi inclusa na minuta que será entregue à instituição.

Bradesco

Funcionários priorizam saúde e emprego – Após uma palestra sobre emprego ministrada pelo Dieese, a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do banco Bradesco definiu que a prioridade dos trabalhadores para a Campanha Nacional 2017 é Emprego e Saúde.

O COE da instituição também exaltou a importância do evento e da união da categoria pelo debate para organização das estratégias que serão apresentadas às instituições.

Itaú

Colaboradores debatem jornada de trabalho e agência digital – Subdivididos em três grupos, os trabalhadores do Itaú definiram estratégias sobre emprego, condições de trabalho e o impacto da tecnologia nas relações de trabalho.

Em abril, o banco enviou uma carta aos funcionários e o seu conteúdo foi utilizado como base para a elaboração de propostas para as próximas negociações. Jornada de trabalho flexível, escala de folgas, finais de semana, intervalo para descanso e refeições, além das condições de trabalho e perfil do bancário, entrarão na pauta.

Outro ponto amplamente discutido durante o encontro foi a dificuldade que o Sindicato tem de acessar as agências digitais do banco Itaú, mesmo com relatos de excesso de jornada de trabalho e adoecimento de trabalhadores. Essas e outras questões foram inclusas na minuta que será entregue ao banco e fará parte da Campanha Nacional dos Bancos 2017.

Santander

Trabalhadores discutem reformas – A maneira como as reformas Trabalhista e da Previdência impactarão o emprego e as relações de trabalho na instituição foi o foco da reunião dos funcionários do banco Santander. A preocupação gira em torno da redução dos postos de trabalho, mesmo com resultados bastante positivos para a instituição.

Além disso, os colaboradores da empresa vivem em clima de insegurança, pois no Santander a tecnologia já é amplamente utilizada e funcionários já foram demitidos e substituídos por contratados indiretamente. Tarefas antes exclusiva dos bancários, como a prospecção de contas, agora são executadas por trabalhadores terceirizados, o que tem causado preocupação nos funcionários da instituição.