Sindicato de São Paulo reverte quatro demissões no Itaú por assédio moral

 

Quatro funcionários vítimas de assédio moral e demitidos injustamente pelo Itaú Unibanco foram readmitidos na semana passada, em São Paulo. A conquista configura mais um resultado do instrumento de combate ao assédio moral garantido na Campanha Nacional Unificada 2010.

Os trabalhadores, que tinham problemas com um gestor, foram demitidos. A denúncia chegou ao Sindicato dos Bancários de São Paulo e, conforme previsto pelo instrumento de combate ao assédio moral, o problema foi apurado pelos dirigentes.

 

 

Diante da comprovação, foi levado à direção do banco que, após avaliar o caso, reconheceu a injustiça cometida e readmitiu os bancários. Além disso, o gestor responsável pelo assédio moral foi reorientado e será transferido em breve.

"Isso mostra que o banco também está levando a sério o combate ao assédio moral que é uma das prioridades da categoria e, consequentemente, do Sindicato. Trata-se de uma prática cruel que causa sofrimento e adoecimento aos trabalhadores e tem de ser combatida", diz a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira.

"O instrumento conquistado pelos trabalhadores na campanha passada está alcançando importantes resultados. E isso depende da participação dos bancários que devem reunir informações, sair do isolamento e denunciar o problema para que possamos apurar e cobrar providências do banco", ressalta Juvandia.

Denuncie

O instrumento de combate ao assédio moral é uma das mais importantes conquistas da categoria bancária. Para denunciar, os bancários devem acessar o site e clicar aqui . Lá estão todas as informações sobre a ferramenta, além do formulário para fazer a denúncia.

É importante destacar que os trabalhadores têm sua identidade totalmente preservada. Após receber a queixa, os dirigentes sindicais têm dez dias para apurar as informações e levá-las ao banco. A partir daí, a instituição financeira tem até 60 dias para apurar e resolver a situação, e dar retorno ao Sindicato.

"Estamos cobrando de todos os bancos que façam valer o instrumento contra o assédio moral que é nocivo à saúde dos funcionários e da própria instituição", ressalta Juvandia. O acordo com o Sindicato já foi assinado por representantes de Bradesco, Itaú Unibanco, Santander, Caixa Federal, HSBC, Votorantim, Bicbanco, Citibank e Safra.

Fonte: Seeb São Paulo